President Obama and Cherokees

Presidente Obama assina Lei Tribal. O cherokee é o idioma de cerca de 20.000 pessoas. Foto: NCAI

Sistemas silábicos utilizam um conjunto de símbolos que representam (ou aproximam) sílabas que formam então, palavras. Um símbolo representa tipicamente o som de uma consoante, seguido por uma vogal, ou apenas uma vogal isolada.

Em um sistema silábico verdadeiro, não existe nenhuma semelhança gráfica organizada entre caracteres foneticamente relacionados (embora alguns apresentem uma semelhança gráfica para as vogais). Ou seja, os caracteres para / ke /, / ka / e / ko / não têm qualquer semelhança que indique “k” tenha um som comum.

Esses sistemas são mais apropriados às línguas com estrutura silábica relativamente simples, como o japonês. O idioma inglês, por outro lado, permite estruturas silábicas complexas, com uma quantidade relativamente grande de vogais e encontros consonantais complexos, tornando-se incômodo escrever palavras dessa maneira. Se fosse usado um sistema desses com o inglês, cada sílaba possível teria um símbolo distinto e, enquanto o número de sílabas possíveis em japonês não é mais do que cerca de cinqüenta, no inglês há milhares.

Silabário cherokee em uso atual. Tahlequah, Oklahoma, EUA.

Apesar de tudo, escritas com quantidades muito maiores de caracteres utilizando esse sistema existem. A escrita Yi (usada pela etnia chinesa também conhecida por Nuosu), por exemplo, contém 756 símbolos diferentes (ou 1164, se os símbolos com um tom particular são contados como sílabas separadas, como no Unicode). Outras línguas que usam sistemas silábicos verdadeiros incluem o grego micênico (linear B) – é a forma mais antiga do grego cuja existência pode ser comprovada – e línguas nativas norte-americanas, tais como a cherokee. Vários idiomas do Antigo Oriente Próximo usaram formas de escrita cuneiforme, que eram silábicos, com poucos elementos não-silábicos.

Continue a ler  sobre sistemas de escrita: